Opine Cidadão é um sucesso

By 5 de junho de 2018Câmaras & Assembleias

Plataforma digital da Assembleia Legislativa de Goiás

Pouco mais de um ano e meio desde o seu lançamento, o “Opine Cidadão”, plataforma digital vinculada ao site da Assembleia Legislativa, traz evidências de que está cumprindo sua finalidade de aproximar ainda mais o Parlamento da população goiana. Balanço divulgado pela Secretaria de Tecnologia da Informação (TI) mostra um crescente número de cadastros feitos para utilizar a ferramenta, um total de 21.650. O Opine Cidadão permite ao usuário manifestar sua posição favorável ou contrária sobre qualquer processo Legislativo em tramitação. O grande alcance que a plataforma possui vem ao encontro do que a atual gestão, presidida pelo deputado José Vitti (PSDB), anseia oferecer para a sociedade: mais transparência dos atos deste Poder e mecanismos que aprimorem o debate público.

De acordo com o chefe da Assessoria Adjunta de Desenvolvimento de Sistemas da Secretaria de TI, Eduardo Lagares, o Opine Cidadão teve, desde o seu lançamento, em 18 de outubro de 2016, um total de 808.686 páginas visualizadas. Ainda conforme Lagares, as inscrições feitas até o presente momento partiram de 782 municípios de todo o País, a maior parte situada em Goiás. A maioria, um total de 5.719, foi feita por cidadãos de Goiânia; 518 de Aparecida de Goiânia; 425 de Anápolis; 304 de Brasília; 239 de Luziânia; 193 de Rio Verde; 130 de Goianésia; 120 de Caldas Novas; além de outras cidades. Houve cadastramento de usuários em todas as regiões do Brasil, como nos Estados do Amazonas, Acre, Roraima, Pará, Tocantins, Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Sergipe, Mato Grosso, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná.

Mais votadas

O último recurso adicionado ao Opine Cidadão foi uma aba com acesso aos 12 projetos de lei mais votados pelo público e o número de votos a favor ou contra de cada um deles. Atualmente, fazem parte desse ranking proposituras assinadas pela Governadoria do Estado, deputados, Tribunal de Justiça (TJ-GO) e pelo Ministério Público Estadual (MPE-GO).