Projetos para povos indígenas

By 11 de maio de 2019Inclusão, Nacional

O governo da Bahia vem investindo em projetos de inclusão produtiva para povos indígenas que incluem ações de apoio a cadeias produtivas, como as da apicultura, piscicultura, bovinocultura, caprinovicultura e fruticultura, entre outras, além de capacitações e apoio à gestão dos empreendimentos.

Nos últimos quatro anos, mais de R$ 15 milhões foram aplicados em projetos como o Bahia Produtiva e Pró-Semiárido para a implantação de aviários, viveiros de mudas, quintais agroflorestais, projetos de reflorestamento, produção agroecológica e construção de um complexo de turismo étnico cultural.

O Bahia Produtiva é executado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural a partir de acordo de empréstimo com o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird/Banco Mundial), que contribui para a segurança alimentar e nutricional, diversificação das fontes de renda, e promoção da melhoria da qualidade de vida da população indígena do estado.

 

Aviários

 

Na aldeia Araçá, da etnia indígena Kiriri, no município de Banzaê, dezenas de famílias da Associação Nossa Senhora de Fátima foram contempladas com a implantação de aviários com galinhas criadas no sistema caipira. O projeto inclui a estrutura física dos aviários, aquisição de reprodutores, ração e equipamentos, além de uma máquina forrageira e uma chocadeira, que são de uso coletivo.

O presidente da associação, Wilson dos Santos, salienta que os investimentos representam um avanço. “A gente já criava as aves no quintal, mas com pouca produção. Hoje, mesmo ainda no início, estamos vendo que o projeto já está mostrando o potencial”

Ele afirma que a comunidade já enxerga um futuro promissor com o desenvolvimento da criação de animais de pequeno porte, a exemplo de aves, como uma alternativa de renda para as famílias.

Para Kâdara Pataxó, da Aldeia Juerana, em Coroa Vermelha, no município de Santa Cruz Cabrália, apesar de ainda serem necessárias intervenções de políticas públicas que atendam às demandas dos povos indígenas, já existem avanços na Bahia. Kâdara é presidente da Associação de Mulheres Indígenas do Extremo Sul da Bahia.

Leave a Reply