Category

Social

Bairro Educador

By | Educação, Social | No Comments

Certificada como tecnologia social pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil, o programa Bairro-Escola Rio Vermelho, primeiro projeto de bairro educador desenvolvido em Salvador (BA), ganhou visibilidade, legitimidade e uma rede de apoio.

Tudo começou em 2012, quando um minucioso diagnóstico elaborado com a participação da comunidade levantou dados estatísticos e mapeou problemas e oportunidades que o bairro poderia oferecer para potencializar o desenvolvimento integral de seus estudantes.

Assim, a colônia de pescadores que organiza a Festa de Iemanjá, a Casa do Rio Vermelho onde morou o escritor Jorge Amado, as baianas de acarajé, as empresas de economia criativa, os ateliês dos artistas, foram alguns dos achados que se transformaram em oportunidades de trabalho conjunto.

Desde então as praças foram transformadas em salas de aula a céu aberto, abrigando festivais, saraus de leitura e atividades temáticas. Eventos em que as escolas públicas e seus alunos, muitas vezes invisíveis ou estigmatizados pela população local, puderam mostrar a sua face mais luminosa e interagir com a comunidade do entorno.

Ao longo dessa caminhada, o IDEB das escolas participantes cresceu de forma consistente e a comunidade escolar e seu entorno foram se apropriando da iniciativa e do próprio bairro como oportunidades educativas.

 

Arranjos Comunitários

 

Encontrar, na própria comunidade, soluções criativas e colaborativas para ultrapassar desafios da escola é um dos propósitos dos Arranjos Comunitários – projetos educativos com o objetivo de promover o encontro entre os saberes da escola e do território, através de oportunidades educativas. Eles se materializam em projetos temáticos ou de ocupação de espaços públicos com fins educativos e culturais.

O percurso das crianças de casa até a escola pode se tornar mais seguro com a criação de trilhas educativas. Os muros de uma rua podem servir como mural informativo para a comunidade – ou se transformar em uma galeria de arte. Um auditório de escola pode ser transformado em teatro e suprir a demanda por eventos culturais gratuitos, como peças e shows. As possibilidades são inúmeras.